Papo Tático: Vitória 0 x 1 Guarani

Papo Tático: Vitória 0 x 1 Guarani

16/09/2019 0 Por Paulo Roberto

Em jogo que marcou a reestreia do Vitória como mandante na Fonte Nova, time joga mal e perde para o Guarani, time que estava na lanterna da competição.

A torcida compareceu na “nova” casa, apoiando o time e viu Carlos Amadeu manter a formação com 3 volantes, não tendo êxito. Derrota amarga em Salvador.

O PRIMEIRO TEMPO

O jogo começou, e rapidamente foi fácil notar a fragilidade técnica dos dois times, explicando a posição na tabela de cada um. Ambos enfrentavam o mesmo problema: criação. Pouco dinamismo, transição lenta, dificultaram muito a partida.

Amadeu armou o time novamente com 3 volantes (Baraka, Cândido e Andrade) mesma formação do último jogo, que foi fora de casa. Errou e muito nessa escolha! Como mandante, o time tem que propor o jogo, e ficou extremamente difícil de implantar isto com três volantes.

O Vitória adotou algumas plataformas táticas. No entanto a que mais se notava, era o 3-4-3 e o 4-4-2, o último de uma maneira diferente. (Confira nas imagens abaixo).

Nesta captura podemos notar o time no 4-4-2, com Gedoz e Wesley abertos na segunda linha, que contava com Baraka e Cândido também, e na última linha, vemos Anselmo e Andrade, mostrando que o volante atuava mais à frente do que esperado. Outra curiosidade é a linha de impedimento da primeira linha, colocando todo ataque adversário em condição irregular.

Essa imagem mostra Cândido recuando e fazendo uma linha de três com Ramon e Éverton Sena, assim, adiantando um pouco nossos laterais, trazendo amplitude ao time.

Em alguns momentos, o Vitória até tentou adiantar suas linhas e pressionar o adversário em seu campo, teve pouco êxito. (Confira na imagem abaixo).

Nessa imagem, o Vitória está pressionando a saída de bola adversária com Gedoz e Anselmo. Por conta disso, o adversário possuía uma dificuldade para articular jogadas. Detalhe que o 4-4-2 se mantém, só que com Gedoz na última linha e Andrade na segunda.

O posicionamento de alguns atletas, ajudaram para que o Vitória apresentasse um futebol abaixo. Exemplos: Gedoz aberto na esquerda e Wesley na direita. Gedoz atua melhor flutuando no centro do campo, pegando a bola na segunda linha e criando jogadas. Já Wesley, atua melhor pelo lado esquerdo, onde cresceu no segundo tempo.

O time sentiu falta de uma meia articulador, já que o talento de Felipe Gedoz para esta função estava sendo desperdiçado. Além disso, os três volantes do time, foram omissos na partida, pouco acrescentaram/criaram. A única saída eram as jogadas pelas laterais do campo, só que eram nulas devidos a alguns erros do time. (Confira na captura abaixo).

Este lance se repetiu algumas vezes durante a partida. Gedoz sempre recebendo a bola no lado esquerdo do campo, e nenhum jogador se aproximava para receber o passe, cabia a ele tentar arrancadas, mas não é o seu forte, ficou sobrecarregado. Já do outro lado, Wesley sempre tinha a presença de Andrade ou Van, mas ambos sempre estavam muito bem marcados.

O Guarani, cresceu na partida nos 20 minutos, conseguiu ter mais calma na transição e nos contra-ataque. E em um desses, chegou ao gol. (Veja abaixo os erros do Vitória no gol sofrido).

Cândido recebeu o passe de Chiquinho e tentou um passe na fogueira pra Gedoz, o adversário antecipou e iniciou o contra-ataque, com nossa segunda linha bagunçada.

Após algumas trocas de passe, o camisa 11 do time de Campinas tocou na linha de fundo para o lateral-esquerdo Thallyson, Andrade demorou de acompanhar na corrida e o jogador fez o cruzamento. O atacante adversário se projetou nas costas de Ramon, atacando o espaço vazio (sinalizado com a seta) livre para marcar.

Faltou muita coisa pro leão na primeira etapa: criação, jogadas individuais (1×1), vontade… Time foi pro intervalo sem nenhuma chance clara de gol.

SEGUNDO TEMPO

O time entrou mais ligado, teve aquele velho abafa inicial, que empolga a torcida. Novamente, adiantou suas linhas, ganhando assim a bola do Guarani no setor de ataque.

Algumas chances foram criadas, mas ainda era pouco. Assim, aos 10” Amadeu sacou Andrade e colocou Garcia, time melhorou. Wesley veio para o lado esquerdo (onde atua melhor, melhorou muito na partida, criando chances reais de gol) e Garcia foi atuar no lado oposto. Com isso, enfim Gedoz foi para o meio, mas já estava cansado e pouco produziu.

Gedoz passou a atuar mais no meio, dando liberdade para flutuar neste setor e nas duas beiradas. E também apareceu para buscar a bola nos volantes, como mostra na captura a cima.

Guarani não assustou mais, e parecia não querer jogar mais, apenas segurava o resultado, na espera de um contra-ataque, para “matar” a partida.

Foi preciso a torcida pedir três vezes, para Amadeu então colocar Jordy, para a saída de Anselmo. As melhores chances do time vieram após a entrada desses dois jogadores. Time mostrou mais dinamismo, acertou uma bola na trave com Wesley e chegou perto de empatar a partida.

Aos 40” Amadeu tirou Baraka e colocou Eron, partindo pro tudo ou nada, mas não surtiu efeito. Achei boa as mudanças do treinador no decorrer do jogo, pena que sua escalação inicial fez valer o resultado do jogo.

E terminou assim, 0x1.

OS DESTAQUES

Positivo: Não teve um destaque positivo no jogo. A maioria foram abaixo, os demais foram regulares.

Negativo: De tantos… Eu destaco Anselmo Ramon, Gedoz e Cândido, atuações ruins.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Carlos Amadeu pecou mais uma vez. Manteve a formação de 3 volantes, sendo que estava jogando em casa. Deveria sacar Cândido ou Andrade, para a entrada de Garcia ou Jordy, em casa o time precisa propor, pagou com a primeira derrota no comando do time, e vamos combinar, ela até demorou. Foram 10 dias de treinamento, e um péssimo futebol apresentado. Vamos torcer para que a postura no próximo duelo, contra o São Bento, seja diferente!

É isso aí galera!

Por: Paulo Roberto/@Paulorobert1899
Imagens: Edição Nossa.