Papo Tático: Vitória 2 x 1 Ponte Preta

Papo Tático: Vitória 2 x 1 Ponte Preta

29/07/2019 0 Por Paulo Roberto

Em jogo emocionante o Vitória consegue uma boa virada diante da macaca e fica próximo de deixar a zona de rebaixamento.

Com gols de Chiquinho e Felipe Gedoz, o Vitória conquista seu segundo triunfo seguido em casa, para a alegria de pouco mais de 5 mil torcedores presentes no Barradão.

O PRIMEIRO TEMPO

Osmar Loss mudou a formação inicial neste jogo. Entrou com 3 volantes (Baraka, Léo e Cândido) sacando Ruy do time titular. Time começou muito mal. A Ponte Preta parecia que estava jogando em casa, pois mandava na partida. O Vitória iniciou o jogo num 4-3-3, num tripé em forma de V, com Baraka protegendo mais a primeira linha e Cândido e Léo Gomes saindo mais. No entanto, o time variou muito sua plataforma de jogo, 4-1-4-1, 4-5-1, 4-2-3-1… Essa variação foi possível pela característica de Cândido e Léo Gomes, que tinham mais liberdade pra sair pra jogo. (Vejam uma das plataformas abaixo).

Aqui vemos o rubro-negro num 4-5-1. O quinto homem da segunda linha (Wesley) não aparece por está aberto na lateral esquerda do campo. Detalhe para a liberdade do jogador com a posse para iniciar a jogada.

Poucos segundos depois da captura a cima e após algumas movimentações, podemos ver um erro do sistema defensivo.

Como a superioridade numérica do time estava no meio, os jogadores que atuam pela extremidade esqueceram os laterais adversários. Diego Renan se projeta nesse lance atacando o espaço e o da direita na imagem já estava solto. Um passe com amplitude para esses jogadores e o perigo de gol aumentaria. O time não deveria fechar tanto o meio.

Apesar da superioridade no setor do meio campo, quem conquistou todas as jogadas nele foi a Ponte Preta, destaque para o volante Edson, que estava dando aula de como iniciar as transições ofensivas, a marcação frágil no meio por parte do Vitória, refletiu nas laterais, e as bolas aéreas começaram a ser um problema, já que o posicionamento da primeira linha nas bolas alçadas, estava equivocado. (Confira nas imagens abaixo).

Nas duas capturas, podemos ver os defensores do Vitória acompanhando somente a bola, e esquecendo o perigoso atacante Roger. Num lance o mesmo finalizou na trave e na outra marcou o gol. Detalhe para o gol que estava impedido (imagem 1).

Ramon e Bruno Bispo demoraram pra ajustar os  seus posicionamento. O resultado até então era justo, estava vencendo quem estava propondo mais, o Vitória não estava bem, mas surpreendeu a todos com uma virada ainda no primeiro tempo.

Um dos fatores preponderantes para a virada do Vitória, foi a estabilidade emocional e a garra dos jogadores. No jogo anterior (confira aqui), argumentamos sobre a fragilidade emocional do time, que não soube levar o gol. No entanto, no jogo de sábado, o time cresceu após o gol sofrido e com muita garra superou as deficiências técnicas e chegou ao placar positivo com propriedade. Além disso, merece destaque a bola parada do time, que está melhorando com os cobradores Gedoz e Chiquinho.

A Ponte Preta não é nenhum bicho de sete cabeças, tem muitas deficiências técnicas, tendo uma boa marcação, produz pouco. (Confira na captura abaixo).

Aqui podemos notar um buraco no lado direito do time, poucas opções para o passe, time postado no lado oposto, se o Vitória pressionasse mais rápido, ganharia a posse com facilidade.

SEGUNDA ETAPA

O Vitória se recuou mais, no entanto não sofreu perante o ataque do adversário. Inclusive chegou mais perto de alargar o placar, do que a Ponte de empatar o jogo. Anselmo Ramon perdeu três gols. O time se postou melhor defensivamente. (Confira na imagem abaixo).

O Vitória está quase inteiramente no seu campo, e a marcação compactada, sem dar espaços pra Ponte Preta trabalhar a posse. A presença de dois laterais esquerdos, ajudou a marcação naquele setor, como podemos ver Cândido na sobra.

O segundo tempo foi marcado taticamente pelas alterações que Osmar Loss fez, com opções dentro da partida e as que vieram do banco.

O treinador colocou Cândido como lateral-esquerdo, e puxou Chiquinho pra ponta, posição que já relatamos em sua análise (confira aqui) que o jogador produz mais. Chiquinho cresceu muito na partida, atuando pelas beiradas e depois como um meia central, explorando suas arrancadas. Foi uma boa mudança de Loss, visto que, o time melhorou.

Apesar dessa boa mudança de Loss, as suas substituições não foram boas. Sacou Gedoz e colocou Capa, e sacou Wesley para a entrada de Ruy. Time terminou o duelo com 4 canhotos, sendo 3 no meio campo. Capa não comprometeu, mas mostrou suas limitações técnicas. A mudança ideal seria Thiaguinho no lugar de Wesley. E Ruy pra ocupar o lugar de Gedoz, seria um seis por meia dúzia, mas necessário. Essa mudança chamou mais a Ponte Preta.

E terminou assim, 2×1.

OS DESTAQUES

Positivo: Gedoz e Chiquinho. Gedoz está flutuando muito bem no meio do campo e participa muito do ataque do time. Já Chiquinho anulou praticamente Diego Renan no primeiro tempo, e ”destruiu” jogando pela ponta e depois pelo meio.

Negativo: Não gostei do atacante Wesley, tem um bom tempo jogando mal e não agregando ao time.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Foi uma vitória muito importante pro time, pra trazer mais confiança e esperança ao elenco. No entanto, o o resultado positivo tem ter uma sequência, para assim sairmos dessa situação. Vamos torcer para uma evolução constante do time.

É isso aí galera!

Por: Paulo Roberto/Paulorobert1899

Foto: Edição Nossa.