Papo Tático: Bahia 0x0 Vitória

Papo Tático: Bahia 0x0 Vitória

18/03/2019 0 Por Mateus Batista da Silva

Em partida válida pela penúltima rodada do estadual, o Vitória enfrentou o seu rival na Arena Fonte Nova, mais uma vez com torcida única. Vindo de duas derrotas vexatórias dentro do Barradão, o rubro-negro conseguiu um bom resultado, diante das circunstâncias. Vamos tentar destrinchar o que aconteceu na partida.

O JOGO

Chamusca entrou com algumas mudanças. Duas por força de suspensão e outra acabou sendo uma surpresa, apesar de já ter tentado utilizar durante a partida contra o Botafogo-PB. Foi o mesmo 4-2-3-1 de outrora, com Vilela e Wesley como volantes (e vamos falar deles mais à frente) já que Rodrigo Andrade e Léo Gomes estavam suspensos e Matheus Rocha como meia aberto pelo lado direito, para dar apoio a Jefferson.

Equipe jogando num 4-2-3-1 sem a bola, com Vilela e Wesley fazendo a dupla de volantes e Andrigo o meia central

Apesar de ter sido forte na marcação, e talvez tenha sido o principal fator para sair com o empate, ainda enxergamos erros de posicionamento e leitura das jogadas. O lance abaixo foi a única chance real do rival no primeiro tempo. O balanço estava bem feito, mas aí vem o erro da leitura. Juninho, além de estar desfazendo a linha, não previu a jogada e tomou a bola nas costas. Se recordamos, foi assim que iniciou o gol do rival no baVI da Copa do Nordeste.

Artur recebeu lançamento nas costas de Juninho, que dormiu no lance e quase abre o placar.

O Vitoria iniciou a partida com o bloco baixo, marcando no campo de defesa. Mas esse bloco estava muito baixo, chegando a primeira linha a ficar dentro da área. Essa postura dava muito espaço na intermediária, chegando a criar situações de perigo contra a nossa meta.

Veja nesse lance que Andrigo não faz a marcação no volante adversário. Na sequência, um chute de longe que levou perigo ao gol de Ronaldo.

A partir dos vinte minutos da etapa inicial, o time avançou um pouco as linhas e chegou a controlar a partida, mesmo não sendo tão incisivo. Tinha a posse, mas não assustava. E aí vem um ponto que vem atrapalhando a produtividade ofensiva do Vitória. A tomada de decisão. Dois lances para ilustrar. Andrigo tem o domínio. Jefferson faz a ultrapassagem, mas o camisa 10 prefere cortar para dentro e tentar a finalização. Atrasa um pouco a passada, espera a passagem do lateral e toca nele. Ia chegar bem na linha de fundo. Ou ainda poderia procurar uma tabela com Matheus Rocha que já estava bem posicionado na frente da área.

Jefferson se apresenta bem na ultrapassagem, mas Andrigo prefere o corte para o meio.

No segundo lance, Juninho recebe a bola na intermediária e tem Erick bem aberto na esquerda, dando amplitude a equipe. Nino, que seria o marcador de Erick nessa jogada, está bem distante do camisa 11 rubro-negro. Naturalmente Juninho deveria abrir a jogada mas preferiu o chute.

Apesar de não aparecer na imagem, mas Erick está aberto do lado esquerdo, dando opção para Juninho

Queria também pontuar os dois volantes, que ao meu ver, também contribuíram para o fraco desempenho ofensivo. Todas as saídas de bola do Vitória foram no chutão. TODAS. Em nenhum Ronaldo saiu jogando com os laterais ou volantes. Era sempre bola quebrada em Neto. Wesley e Vilela entraram com a função apenas de destruir as jogadas. Pontuar também o posicionamento de Matheus Rocha que entrou como o meia pelo lado direito, fazendo a dobra com Jefferson. Defensivamente funcionou, já que Moisés teve dificuldade em suas investidas, mas ofensivamente, o lateral de origem, tinha dificuldade em receber essa bola de costas.

No segundo tempo o rival conseguiu encurralar o Vitória no campo de defesa. Deixou o seu meio campo mais dinâmico com a entrada de Flávio. O rubro-negro não conseguia sair do campo de defesa.

Veja que praticamente todo o time se defendia.

OS DESTAQUES

Positivo: Jeferson foi muito bem. Apesar de dar mole no lance que quase Moisés faz o gol, mas defensivamente muito bem. Menção honrosa para Ronaldo que fez grande partida.

Negativo: Andrigo. Jogou pouco, articulou pouco e viveu muito de lances de bola parada. Precisa produzir mais.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O baixo rendimento do rival na criação e aquela bola na trave de Wesley fizeram com que o placar não saísse do zero. Levando em consideração o contexto, o resultado foi positivo para o Vitória. Jogando com torcida única, vindo de dois tropeços inimagináveis, o time se comportou bem e alguns momentos chegou a me surpreender. Com o resultado, ainda deixou o seu grande rival fora da zona de classificação faltando apenas uma rodada. Mas convenhamos, o jejum de 12 partidas está incomodando.

É isso ai!

Por Mateus Batista: @Mbatistasilva

Fotos: Edição nossa / ECVitória Divulgação.